Acompanhadas dos filhos, sambistas voltam ao trabalho nas quadras e ensaios após dar à luz | Carnaval 2019 no Rio de Janeiro

0
216



Parodiando o ditado popular, “as boas sambistas a casa tornam”. Ou seja, as porta-bandeiras, carnavalesca e coreógrafa que deram à luz no ano passado, já estão de volta ao trabalho para o carnaval de 2019. Com os novos herdeiros no colo, já deixaram o resguardo de lado e voltaram às atividades, cheias de disposição para brilhar na Sapucaí.

Última a ter bebê, – Maria Rita nasceu em 26 de dezembro – a porta-bandeira Marcella Alves, da Acadêmicos do Salgueiro, retomou recentemente o treinamento com o mestre-sala Sidclei para o carnaval de 2019. No sábado (9), data de seu retorno, Marcela ganhou uma festa na quadra da escola de samba.

Dante, sempre ao lado da mãe, num ensaio de Dandara com Phelipe, da União da Ilha  — Foto: Arquivo Pessoal

Dante, sempre ao lado da mãe, num ensaio de Dandara com Phelipe, da União da Ilha — Foto: Arquivo Pessoal

Dandara Ventapane, porta-bandeira da União da Ilha do Governador, faz questão de ser mãe em tempo integral e ainda defender o pavilhão da escola da melhor maneira possível. Orgulhosa e zelosa, ela não desgruda de seu primeiro filho, Dante, nascido em novembro do ano passado, nem um minuto. Nem nos ensaios.

“Meu bebê me acompanha, ele está em amamentação exclusiva, só mama no peito. Portanto, evito dar muitas mamadeiras, por ele ser pequeno, para não desmamar. Mamadeiras só em caso de urgência. Ele vai sempre a quadra, ensaios de rua e foi uma vez ao barracão. Geralmente, fica na sala da presidência com a avó e no ar-condicionado, pois nesse verão está fazendo muito calor. Tenho uma rede de apoio (parentes e amigos) muito grande. O pai me ajuda bastante. Assim, consigo conciliar ensaios, academia, compromissos e shows. Tenho, no mínimo, duas pessoas comigo para olhar o Dante. Não é fácil, mas fazendo tudo com amor e carinho, respeitando os limites do bebê, está sendo possível conciliar”, diz a orgulhosa Dandara.

Verônica Lima e Maria Clara, de 3 meses, devidamente paramentada com as cores da Império Serrano — Foto: Arquivo PessoalVerônica Lima e Maria Clara, de 3 meses, devidamente paramentada com as cores da Império Serrano — Foto: Arquivo Pessoal

Verônica Lima e Maria Clara, de 3 meses, devidamente paramentada com as cores da Império Serrano — Foto: Arquivo Pessoal

A também porta-bandeira Verônica Lima, da Império Serrano, já voltou aos ensaios quase diários para fazer bonito na avenida. Ela conta que enquanto estava grávida fez balé, pilates, shiatsu, drenagem linfática e treinou bastante com o mestre-sala Diogo Jesus. Mas mãe de gêmeas que estão com 14 anos, tirou de letra a volta ao trabalho. E a pequena herdeira Maria Clara, de 3 meses, já deu o ar de sua gracinha, em ensaios, inclusive trajando o verde e branco da Império.

“Na quadra ela ainda não foi, mas já participou de ensaios”, diz Verônica.

Jaçanã, da Inocente de Belford Roxo, conta com a ajuda da filha mais velha e da mãe para cuidar de Isabel, durante os ensaios noturnos — Foto: Arquivo PessoalJaçanã, da Inocente de Belford Roxo, conta com a ajuda da filha mais velha e da mãe para cuidar de Isabel, durante os ensaios noturnos — Foto: Arquivo Pessoal

Jaçanã, da Inocente de Belford Roxo, conta com a ajuda da filha mais velha e da mãe para cuidar de Isabel, durante os ensaios noturnos — Foto: Arquivo Pessoal

Uma das primeiras a retornar ao samba foi a porta-bandeira da Inocentes de Belford Roxo, Jaçanã Ribeiro. Isabel, segunda filha de Jaçanã, nasceu em outubro e logo depois a mãe voltou aos treinamentos. Em novembro do ano passado a porta-bandeira já estava de volta aos ensaios.

“Como a Isabel é minha segunda filha, já sabendo dos macetes, tirei de letra para voltar mais tranquila às atividades físicas. Agora estamos ensaiando com mais intensidade pois estamos na reta final. Correria entre ateliê para experimentar fantasia e Sapucaí, com ensaios noturnos. A minha mãe e minha filha mais velha cuidam da Isabel para mim, enquanto meu marido me acompanha nos ensaios. A rotina está corrida, mas muito prazerosa para toda a família”, garante Jaçanã.

Até dezembro, a pequena Liz frequentava o barracão da Unidos da Tijuca, com a carnavalesca Annik Salmou — Foto: Arquivo PessoalAté dezembro, a pequena Liz frequentava o barracão da Unidos da Tijuca, com a carnavalesca Annik Salmou — Foto: Arquivo Pessoal

Até dezembro, a pequena Liz frequentava o barracão da Unidos da Tijuca, com a carnavalesca Annik Salmou — Foto: Arquivo Pessoal

Se a rotina das porta-bandeiras começa a se intensificar agora, nas proximidades do carnaval, a carnavalesca Annik Salmon, da Unidos da Tijuca, conta que com ela começa justamente o movimento inverso. Ou seja, com o carnaval já desenhado e desenvolvido e ela pode se dedicar mais tempo à Liz.

“Desde dezembro já vou ao barracão. Naquela época ainda trazia a Liz comigo, pois ainda mamava muito no peito. Em janeiro, já passei a deixá-la em casa com meus pais. Chego ao barracão às 12h, pois ela mama muito no peito, na parte da manhã. À tarde, ela já começou a comer frutas e toma mamadeira. Mas todo dia, no barracão tenho que tirar leite para ela mamar no dia seguinte. Graças a Deus está dando certo. Não tem como trazê-la mais, o cheiro é muito forte de cola e tintas”, conta a carnavalesca.

Primeiro passeio de Davi, com 20 dias de nascido foi o barracão da Mangueira, acompanhando os pais Priscilla e Rodrigo numa reunião de carnaval — Foto: Arquivo PessoalPrimeiro passeio de Davi, com 20 dias de nascido foi o barracão da Mangueira, acompanhando os pais Priscilla e Rodrigo numa reunião de carnaval — Foto: Arquivo Pessoal

Primeiro passeio de Davi, com 20 dias de nascido foi o barracão da Mangueira, acompanhando os pais Priscilla e Rodrigo numa reunião de carnaval — Foto: Arquivo Pessoal

Se filho de peixe, peixinho é, o filho de coreógrafos segue o mesmo ritmo. Tão logo completou 20 dias de vida – Davi nasceu em 10 de setembro – depois da primeira visita à pediatra, o filho de Priscilla Mota e Rodrigo Negri participou de uma reunião com o carnavalesco da Estação Primeira de Mangueira para a concepção da comissão de frente.

“O primeiro passeio dele depois da pediatra foi realmente o barracão da Mangueira. Ele acompanhou a gente em algumas reuniões. No início de dezembro a gente começou os ensaios à noite. Aí, realmente não tem como o Davi acompanhar porque o trabalho é intenso. Mas quando a gente chega do ensaio, de madrugada, ele começa a acordar para mamar. Parece que ele entende. Ele dorme até a gente chegar e quando a gente chega ele acorda para mamar. Eu e Rodrigo, a gente se reveza: eu fico a madrugada com ele, e o Rodrigo durante a manhã para eu poder descansar um pouquinho. Está sendo ótimo. A gente está superfeliz, era o que a gente mais queria na nossa vida. A gente está super inspirado com a chegada dele”, disse Priscilla, que torce para que o pequeno Davi seja mangueirense.





Fonte: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/carnaval/2019/noticia/2019/02/12/acompanhadas-dos-filhos-sambistas-voltam-ao-trabalho-nas-quadras-e-ensaios-apos-dar-a-luz.ghtml