STF determina analise de pedido de prisão domiciliar de mulher de Nem – Notícias

0
196




O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin determinou que a Justiça do Rio de Janeiro analise o pedido de conversão de prisão preventiva em domiciliar de Danúbia de Souza Rangel. A mulher do traficante Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha, foi condenada por tráfico de drogas e é mãe de uma criança de sete anos. 


De acordo com Fachin, o TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) deve examinar o pedido conforme decisão da Segunda Turma do STF no julgamento do habeas corpus coletivo concedido, no último dia 20, a gestantes e mães de crianças de até 12 anos. 


Condenada em primeira instância à pena de 28 anos de reclusão por tráfico de drogas, associação para o tráfico e corrupção ativa, Danúbia está custodiada na Penitenciária Nelson Hungria, em Bangu, zona oeste do Rio, e aguarda em prisão preventiva o julgamento pelo TJ-RJ.


No pedido de habeas corpus, a defesa alega que ela é mãe de uma criança de sete anos e, por isso, se encontra nas mesmas condições das mulheres que tiveram a ordem coletiva concedida pela Segunda Turma do STF.


A defesa argumentou ainda que a criança depende da mãe não só economicamente, mas, principalmente, emocionalmente, de acordo com laudo psicológico anexado no processo. Eles alegam ainda que os crimes pelos quais ela é acusada não envolvem violência ou grave ameaça.


Prisão


Danúbia foi presa, em outubro de 2017, nas proximidades da comunidade do Dendê, na Ilha do Governador, na zona norte do Rio. Conhecida como ex-primeira dama do tráfico, Danúbia era um dos criminosos mais procurados do Estado do Rio. 


Ela foi apontada pela polícia como pivô dos conflitos na Rocinha após um racha na facção criminosa que controlava os pontos de venda de droga na comunidade. Segundo as investigações, Danúbia seria a responsável por levar as ordens de Nem até o atual líder da Rocinha, Rogério 157.


Em março de 2016, Danúbia deixou o Complexo Penitenciário de Bangu, na zona oeste do Rio, após ser absolvida de uma acusação de associação ao tráfico de drogas por falta de provas. No entanto, seis dias depois de ser absolvida, ela foi condenada a 28 anos de prisão em outro processo pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico e corrupção ativa. 


* Estagiária do R7, supervisionada por Bruna Oliveira





Fonte: https://noticias.r7.com/rio-de-janeiro/stf-determina-analise-de-pedido-de-prisao-domiciliar-de-mulher-de-nem-08032018