Cacau Protásio recebe a solidariedade da União da Ilha, após ser alvo de racismo

0
13



Cacau Protásio recebeu a solidariedade da União da Ilha do Governador, escola do Grupo Especial na qual a atriz desfila sempre. Figura muito querida na agremiação, ela foi alvo de ataques em mensagens de áudio de WhatsApp durante filmagem do longa-metragem “Juntos e enrolados” no Quartel Central do Corpo de Bombeiros, no Centro do Rio, no último domingo.

Cacau Protásio recebeu o carinho da escola de samba
Cacau Protásio recebeu o carinho da escola de samba Foto: Reprodução de Instagram

Indignada e muito triste, Cacau postou um desabafo em seu Instagram nesta quarta-feira. “Eu estou fazendo um filme, que eu faço um bombeiro, sargento, e domingo, eu fui filmar no batalhão de bombeiros no Centro da cidade. Fui super bem recebida, bem assessorada, sendo que tem um bombeiro que fez um vídeo de uma cena solta e espalhou por aí. Em momento algum ele desceu para saber o que estava acontecendo, o que era, e a cena que ele postou é o pedaço de uma cena que é um sonho do meu superior. Eu faço um filme, eu conto história, aquilo ali é uma ficção, não é realidade. E ele espalhou o vídeo com um áudio me chamando de negra, gorda, fdp, aquela cambada de viado… Racismo é preconceito, se vocês não sabem, se ele não sabe, e isso é muito triste. Não entendi porque tanto ódio”, afirmou a atriz.

A artista, que está na reprise de “Avenida Brasil”, em cartaz nos cinemas com o filme “Vai que cola 2 – O começo”, além da série homônima ao longa, exibido em nova temporada no Multishow, pede que haja mais compaixão entre as pessoas. “A filmagem da gente foi tão legal e agora eu ouço que vai ser tirada do filme, que vão mandar cortar. Então, por que as pessoas que estava lá autorizando acharam legal, abraçaram a gente e disseram que estava tudo bem? A gente não fez nada absurdo, se as pessoas pedirem para ver a cena, vão ver que não é nada absurdo. Mas respeito a opinião dos bombeiros, não sei o que eles passam, não sei o que é ser bombeiro de verdade, eu só admiro. Mas peço que a gente tenha mais compaixão um com o outro.”

Em nota, a assessoria de imprensa da corporação afirma que “O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) não compactua com qualquer ato discriminatório. A corporação se solidariza com a atriz Cacau Protásio e já abriu procedimento interno para identificar o(s) militar(es) e apurar a conduta. O CBMERJ reforça o seu compromisso com a população de Vida Alheia e Riquezas Salvar independente de cor, gênero, raça ou qualquer outra distinção. Os atos divulgados não representam a corporação centenária que, por anos seguidos, é considerada a instituição mais confiável do Brasil.”





Fonte: https://extra.globo.com/tv-e-lazer/cacau-protasio-recebe-solidariedade-da-uniao-da-ilha-apos-ser-alvo-de-racismo-24106243.html